NIKE: a trajetória de uma marca milionária


“If you have a body, you are an athlete”. Parece exagero, mas não é. É verdade. Seja como for, mais que uma simples frase, ela é a síntese da missão da NIKE que há quase 40 anos atrás produzia tênis e hoje fabrica desejos. Quem compra NIKE, leva de brinde todo um ideal de vitória. Tênis e uma centena de outros produtos são apenas um apoio. Seu logotipo que não carrega mais o nome da marca dispensa explicações.

Nenhuma outra marca ligada ao esporte foi tão longe com seus consumidores. O slogan “Just do it” passa idéia de simplicidade. Mas não é tão fácil assim inovar e se manter no topo por tanto tempo. No entanto, é o que a NIKE faz.

A idéia de criar a NIKE surgiu de um projeto de MBA de Phil Knight, um ex-atleta de corridas da universidade de Oregon. Ele acreditava que, ao importar tênis que eram fabricados no Japão, utilizando mão de obra barata, poderia conquistar uma parcela de mercado da marca alemã Adidas. Começou então pelos tênis de atletismo. Em 1963 foi ao Japão negociar com a marca Tiger, com o objetivo de introduzí-los no mercado americano, que até aquele momento era dominado por marcas alemãs. No ano seguinte a primeira remessa de 300 pares da Tiger chegava ao Oregon, registrados com o nome da empresa Blue Ribbon Sports, que Phil Knight e Bill Bowerman, seu treinador, haviam criado em janeiro com apenas US$ 1.000.

Bill modificou o modelo, incorporando ao tênis uma entressola acolchoada, inovação para a época. O tênis caiu no gosto do público e tornou-se o modelo da Tiger mais vendido em 1968. Mais tarde em 1970, Bowerman decidiu testar um novo solado, melhor, mais leve e com maior durabilidade. Surgia dessa maneira um tênis com uma sola leve e ondulada, muito mais aderente e considerada revolucionária para a época.

Desde então, começaram a produzir seus próprios pares de tênis. Enquanto Phil vendia os calçados no porta-malas de seu carro durante as competições de atletismo, Bill cuidava do desenvolvimento e design de novos modelos. Porém, precisavam de uma marca.

Fato este que aconteceu em 1971, quando a estudante de design gráfico, Carolyn Davidson,criou por apenas US$ 35 o famoso símbolo da marca, chamado Swoosh. O nome Nike surgiu logo depois e foi por sugestão de Jeff Johnson, ex-rival de Phil no atletismo e primeiro funcionário da Blue Ribbon Sports, que havia sonhado com a Deusa grega da vitória, “NIKÉ”. Os gregos diziam que a Deusa podia voar e correr em grandes velocidades. Nada mais apropriado para a nova marca que surgia.

A primeira aparição oficial da marca em eventos esportivos foi em 1972, nas classificatórias olímpicas realizadas em Oregon. Para promover a marca, a empresa confeccionou camisetas distribuídas durante as eliminatórias, desde os corredores até juízes e fãs usaram as camisetas. Foi neste mesmo ano que o Canadá se tornou o primeiro país estrangeiro a receber os produtos da marca. Em 1976, nas eliminatórias olímpicas americanas na cidade de Eugene, os tênis NIKE eram vistos em abundância nos pés de jovens promessas do atletismo.


Sua verdadeira expansão internacional começou em 1978, ano em que a empresa passou a ser oficialmente chamada NIKE Inc., com a entrada no mercado sul-americano e a distribuição dos produtos no continente europeu. No final desta década, em 1988, a NIKE ingressou no segmento de calçados não esportivos ao adquirir a Cole Haan, uma marca Premium de sapatos e acessórios. A década de 80 foi marcada por grandes sucessos, principalmente os tênis NIKE Air e Air Jordan, que se tornaram objetos de desejo entre os jovens do mundo inteiro.

Depois de passar por um período difícil entre 1993 e 1997, devido a um plano de expansão e acusações de utilização de mão de obra infantil em suas fábricas no continente asiático, a NIKE se reposicionou como uma empresa de artigos esportivos. Além disso, a NIKE resolveu entrar na briga direta pelo mercado futebolístico. A nova visão traduziu-se em contratos de publicidade e patrocínios que tinham como objetivo alcançar uma audiência esportiva mais ampla, patrocinando assim atletas individuais, como o jogador de golfe Tiger Woods. Em fevereiro de 2002 anunciou a compra da marca de roupas e equipamentos de surfe Hurley. No ano seguinte, comprou a fabricante do tradicional tênis All Star, por US$ 305 milhões. Nesta época, a NIKE se tornou verdadeiramente uma marca global, com o faturamento mundial superando o do mercado americano.

Depois desse “Bum” a Nike não parou de crescer. Passou a se concentrar na inteligência de marketing, design e inovação. Também transformou sua marca em um ícone mundial ao casar cultura popular com esportes e elevar o culto ao atleta a um ponto nunca antes imaginado. Nesse processo, criou o marketing esportivo moderno e produziu uma legião de milionários, fazendo com que sua marca se tornasse uma das mais influentes e valiosas do mundo, custando a “bagatela” aproximada de US$ 13.706 bilhões.

Camila Ribeiro
Diretoria de Comunicação

Anúncios

2 respostas em “NIKE: a trajetória de uma marca milionária

  1. A formula do sucesso da Nike e muito simples produzir acessórias de qualidade a baixo custo.

    Como isso e possível ?

    Explorando milhões de pessoas miseráveis nos países onde a situação econômica e mais critica, onde podem fazer seus operários a trabalharem 12 horas por dia ganhando menos de 30 centavos por dia

Deixe uma resposta para Marcela Monfret Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s