Sentir é preciso!

Imagem

Em meio ao ambiente competitivo das organizações, muito se tem discutido sobre a importância das políticas de relacionamento e do investimento acerca delas.

 A partir desse contexto, podemos analisar as organizações pensando na gestão do “ser” como estratégia para conseguir efetividade no mercado. Para explicar essa nova configuração de pensamento surge o Marketing 3.0, que coloca as necessidades do “humano” a frente da valorização do produto e do relacionamento segmentado entre empresas e clientes. Pensando nas organizações como um coletivo de ideias, mão de obra e principalmente sensações, o Marketing 3.0 sugere que as empresas definam quem realmente são, através de valores, onde o relacionamento deixa de ser de “um-para-um” e se torna colaborativo, visando um mundo melhor através de ações que devem se tornar parte da cultura organizacional da empresa.

Imagem

Tendo em vista esse novo paradigma, podemos perceber que o perfil das organizações se torna cada dia menos mecânico, deixando de lado a preocupação exclusiva com o lucro, o que resultava na marginalização da participação dos funcionário no processo criativo.  Hoje, espera-se que as empresas estimulem a interação entre os colaboradores, para que os resultados obtidos sejam os melhores a partir da soma de forças de diferentes áreas, criando a consciência sobre a importância da união ao mesmo tempo em que valoriza o trabalho individual como parte essencial de um quebra-cabeça.

Imagem

Um exemplo de organização que já adotou essa estratégia é o Google, veja o vídeo a seguir:

De acordo com o vídeo, podemos notar como o ambiente favorece as relações humanas, a partir da estrutura física do local, que conta com espaços para interação. Além disso, de acordo com os próprios funcionários, a cultura de valorização do indivíduo faz com que cada pessoa envolvida nos processos da empresa se sinta parte fundamental do trabalho, motivando todos a fazer com que as metas do Google tornem-se também metas pessoais de cada membro, o que implica diretamente na qualidade do serviço.

Após ler mais sobre as empresas orgânicas, você acredita que essa nova configuração tenha surgido para melhorar o desempenho e a relação entre funcionários dentro das organizações? Se sim, o ganho a partir da valorização humana vale a pena pelo investimento? Essas e outras questões devem ser feitas através da ótica dos relações-públicas, tendo em vista a constante mudança de cenários e a demanda por novas estratégias de mercado. Surge então uma nova gama de oportunidade para nós, gestores da comunicação!

Rafael Parigi

Consultor de Comunicação

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s