A tecnologia do gole

Nas últimas semanas, foram lançadas duas novidades de grandes marcas de cervejas internacionais: a holandesa Heineken e a americana Budweiser. As duas potências do mercado cervejeiro mundial investiram pesado em comunicação e interação direta de seus produtos com seus consumidores, aliando-se à tecnologias de destaque.

Ambas participam também do mercado brasileiro, onde ganham destaque a cada dia. São conhecidas pelo gosto diferenciado quando comparadas às cervejas brasileiras populares.

A marca holandesa lançou o conceito “Heineken Ignite”, onde as conhecidas garrafas da marca ganham LEDs e sensores que interagem com o ambiente por meio de conexão Wi-fi. As garrafas piscam conforme o ritmo da música, acendem quando são bebidas e quando são feitos brindes, e simplesmente se apagam quando são deixadas.

Abaixo o vídeo que a Heineken lançou sobre o “Heineken Ignite”, feito pela Tribal BBD:

Já a Budweiser, em parceria com a agência África, lançou o “Buddy Cup”. Um copo com um chip que, conectado ao Facebook por um smartphone, adiciona todas as pessoas com as quais você brindou e notifica se a pessoa foi adicionada através do “Buddy Cup”. A Budweiser também fez um vídeo para lançar a novidade:

Depois da explosão das mídias sociais como recurso de marketing das empresas, agora o que está em alta é estar próximo ao consumidor em seus atos cotidianos reais e não somente os virtuais. A tendência é utilizar a comunicação dirigida para atingir o consumidor.

Mariana Handfest

Diretoria de Finanças

Fonte:

Comunicadores

Comunicadores

Anúncios

“Yes, we can”

ImagemCom o sucesso da eleição e reeleição do Presidente norte-americano, Barack Obama, as estratégias de marketing e de relações públicas utilizadas por sua equipe, tanto no período de gestão como no de campanha, tiveram muita repercussão. Obama pode ser considerado um revolucionário do marketing político, utilizando-se do chamado “e-marketing 2.0”. Sua estratégia de relacionamento com o público revela muita inovação no campo da política, esta que está se tornando algo cada vez mais desgastado pela mídia e distante da população. 

Imagem

A equipe de relações públicas de Washington valorizou, durante toda gestão, a preocupação em manter o Presidente cercado pelo público – em especial seus eleitores. Em sua visita ao Brasil, a intenção era atrair a multidão carioca para seu discurso. As mensagens do Presidente passavam ideias de um discurso feito diretamente para o povo brasileiro, algo popular, afim de atingir todas as camadas sociais. Para garantir a efetividade da campanha, “Obama no Brasil”, sua equipe propôs aos internautas que deixassem mensagens de boas-vindas ao presidente. Posteriormente, as melhores mensagens seriam premiadas com brindes como iPhones, iPads, camisetas e livros. 

Imagem

No período de campanha, o grande foco estratégico era passar a imagem de um presidente popular e acessível, um “cara como você”, mesmo sendo ele o homem mais importante e poderoso do mundo. A campanha digital de Obama foi um grande diferencial para derrotar Hillary Clinton, em 2008, pois o retorno das redes sociais já era muito intenso. Já em 2012, o candidato se mostrou ainda mais alinhado às tendências cibernéticas: ao final de um comício, em Nova York, Obama pediu que seus eleitores se juntassem ativamente à campanha. De que forma? Pedindo que pegassem seus celulares e enviassem um SMS para o número x com a palavra “Join”. A partir de então, aquela multidão através de um clique passou a receber e-mails, pedidos de arrecadação financeira, e-commerce, relatos da campanha e mensagens do próprio Presidente em seus aparelhos.

Os estrategistas da campanha de Obama também relatam que buscaram votos através de pesquisas de perfil do eleitorado de todas as regiões dos Estados Unidos,  levantando dados como sexo, religião, renda, além de costumes e níveis de consumo populacionais. Traçado o perfil, buscaram estratégias de comunicação para atrair esse eleitorado, tanto a participar da votação (que não é obrigatória) como para votar no Presidente democrata.

Imagem

Em um trabalho de gestão e campanha como esse, percebe-se a grande importância do trabalho de relações públicas em conjunto com o marketing, além do imenso valor da comunicação nas relações humanas.  Nós, profissionais da área, devemos a todo momento buscar as novidades, as tendências e principalmente o conceito principal investido na imagem de Obama: “inovação”. 

Julia Yamaguchi Ferreira

Diretoria de Presidência

Dia a dia com Seda

A Seda criou uma campanha para divulgar sua linha de produtos Premium, feita para cabelos quimicamente tratados. Para isso, contou com sua garota propaganda Isis Valverde para fazer vídeos com um ar amador a serem publicados exclusivamente na internet.

O “Isis na Real” mostra a atriz, que está em alta com o público devido o sucesso de sua personagem Suelen, da novela global Avenida Brasil, realizando suas atividades do dia a dia de uma maneira descolada que faça com que o público se identifique com isso, pois são coisas que todo mundo costuma fazer.

No primeiro episódio, Isis está de folga e é pega no sono. Logo que acorda, ela começa a conversar com o público e isso aproxima o internauta da situação em que ela está vivendo. Durante o vídeo, ela conta dicas e histórias de sua infância, inclusive pequenos problemas e curiosidades que as pessoas costumam compartilhar com amigos e colegas. Isto dá impressão, à quem, de assiste estar realmente numa conversa com ela.

Em cada episódio, existe um tema que é tratado com a forma descolada de agir da atriz. Muitos internautas comentaram ver características não da Isis, mas sim da Suelen por causa dessa maneira como a campanha é abordada, gerando muitos elogios por parte deles.

Pode-se dizer que o segundo episódio é o que mais desperta interesse do público feminino (público-alvo da marca), porque são dadas muitas dicas de como manter a beleza. Além disso, as dicas vêm de uma atriz que é considerada bonita e simpática, o que atinge muitas pessoas que sentem o desejo de parecer com ela.

A campanha é gerenciada pelas agências New Content e FBiz, e como toda ação publicitária, também recebeu críticas. O público comentou sobre o conteúdo “forçado” que é apresentado pela atriz: o fato de ela acordar maquiada; parecer estar em uma casa que não é dela, mas sim da produção; e, inclusive, de na realidade não usar os produtos da marca por ter um cabelo tão bonito.

Assuntos assim são de se esperar e os profissionais relações-públicas podem usar de outros artifícios para solucionar isso. Uma maneira para isso seria mostrar Isis “preparando” seu cabelo, desde a lavagem até a finalização com a escova.

No geral, a campanha é criativa e inovadora. Uma webserie que aproxima as pessoas da marca de maneira a se divertir, sobretudo, com o sentimento de tratamento exclusivo, faz com que elas espalhem o conteúdo e, principalmente, encoraja a experimentar o produto por ser divulgado por alguém que é do gosto popular.

A campanha ainda acontece e mais episódios estão por vir.

Barbara Lima

Diretoria de Qualidade

Fonte:

Seda

Dirigida