A União faz…um Centro Acadêmico!

Representatividade estudantil. “Calma calma, não priemos cânico!”, não é mais um manifesto Marxista ou um chamado à luta com o movimento estudantil. É apenas uma asserção sobre algo que deveria ser comum a todos.
O que um Presidente, um escritor e um fundador de universidade têm em comum? Hum? Todos fizeram parte de um Centro Acadêmico. Jânio Quadros, Monteiro Lobato e Julio de Mesquita Filho. Pessoas com certo nível de reconhecimento. Alguns exemplos de estudantes que em sua época participaram desse importante órgão de representação.
Mas eu não quero ser presidente, nem escritor, nem… (bom, talvez abrir uma faculdade particular de dinheiro, enfim!), eu também não. Quero trabalhar numa multinacional, quero organizar eventos grandes e ser super rico e reconhecido. Não quero fazer passeatas e piquetes em prol da educação. Eu também.
Mas aposto que, como eu, você também gostaria de ter uma melhor formação acadêmica. Com aulas melhores, professores melhores, recursos melhores. Por exemplo, durante todo o primeiro semestre de 2008, os alunos do primeiro ano de graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da UNESP de Araraquara poderão assistir aulas de matéria optativa ministrada pelo C.A. de Farmácia.
As aulas acontecem às terças-feiras, a partir das 17h e abordam diversos temas de interesse dos alunos. Para ministrar estas aulas são convidados professores, alunos da graduação, membros do centro acadêmico e especialistas das diversas áreas de interesse.
E não foi preciso fixar cartazes por murais, fazer greve, manifestações em frente a departamentos, ou qualquer tipo de atitude que cause estranhamento a outros estudantes. Foi preciso só um pouco de organização e boa vontade. E voltando, o interesse a uma melhor formação.
A cidade de Ourinhos possui um Campus experimental da UNESP, onde funciona o curso de Geografia. O centro acadêmico “Aziz Ab´Saber”, passou um ano organizando eventos culturais, festas entre outras coisas para arrecadar dinheiro. Com esse dinheiro foi comprada, à vista, uma máquina copiadora de alta tecnologia. Com isso os estudantes ganharam uma opção de local para tirar suas cópias. Além disso, o centro acadêmico oferece bolsas salário para alunos que trabalhem 2 horas por dia.
Qual o diferencial destes estudantes? Será que o curso de farmácia possui alguma matéria que fale sobre política ou representatividade? Será que o curso de geografia proporciona aulas de planejamento, logística ou empreendedorismo?
Ou talvez o que diferencie mesmo estes estudantes é o interesse?
Por que nosso Centro Acadêmico está desativado? Por que não possuímos representatividade perante departamentos, diretorias e reitorias?
Agora sendo um aluno de Relações Públicas eu pergunto, será o nosso curso tão empresarial que faz com que pensemos que o C.A. é um refúgio para militantes do movimento estudantil e nada tem a ver com nossa formação? Será muito acadêmico e pouco mercadológico pensar em uma formação melhor? Qual a sua justificativa para não participar? O que você acha de quem participa?

Fica a provocação.

Texto escrito e enviado pelo aluno do sexto termo de Relações Públicas: Lucas Grilli Maia, que apresenta sua visão sobre o assunto.
Se você deseja publicar um texto, mande para nosso email:
blogrpjr@gmail.com

Anúncios