Relações Públicas na gestão de mídias sociais

Não é novidade que as mídias sociais têm sido o principal meio de interação entre as pessoas, pelo qual é possível criar, compartilhar e comentar conteúdos de forma prática e muito rápida. Foi a partir destas mídias que a comunicação sofreu mudanças significativas, alterando a forma de relacionamento entre organizações, comunidades e indivíduos. Neste cenário de plataformas altamente interativas, as empresas viram a oportunidade de se aproximar de seu público, divulgando conteúdos com custos de produção e distribuição muito mais baixos, que poderiam atingir de forma rápida e efetiva um grande número de pessoas. Assim, surge a necessidade de um gestor desta comunicação, que seja responsável pela manutenção do relacionamento nas mídias sociais. É aqui que entra o relações-públicas!

E você? Já ouviu falar de Social Media? Esta prática, quando bem aplicada, permite às organizações maior proximidade aos seus consumidores. Ela consiste em produzir conteúdos, compartilhar informações e responder aos comentários e dúvidas dos internautas, proporcionando à audiência boas experiências, uma estratégia que se mostra muito efetiva para estreitar relacionamentos. O profissional que gerir essas plataformas precisa ser ágil e criativo, para que a comunicação acompanhe a rapidez que as mídias sociais demandam.  Hoje em dia, o Social Media está em alta e é utilizado por grandes empresas como Itaú, Santander, Pepsi, Oi e Netflix. Vejamos alguns casos famosos do Social Media:

denise1

denise2

denise3

Nestes casos, os gestores de mídias souberam lidar de forma divertida, ágil e muito criativa perante as situações. Além de ganhar credibilidade com os clientes, estas empresas ganharam espaço em diversos blogs e sites de notícias, sendo assunto nas redes sociais como Facebook e Twitter. Existem muitos outros casos, como quando a Netflix respondeu seu cliente na linguagem de Startrek ou os comentários inusitados da Rede Record sobre sua nova série Breaking Bad (para os curiosos, o link está disponível abaixo).

Engana-se quem pensa que a Gestão de Mídias é um trabalho simples! Pelo contrário, ela exige muito cuidado e planejamento. É preciso conhecer o cenário em que a organização se insere, para saber atingir os públicos certos e utilizar as plataformas mais eficazes, além da elaboração de campanhas contínuas capazes de cativar o público e a elaboração de um cronograma das publicações para que nada fuja do planejado. É fundamental saber a linguagem a ser utilizada em cada mídia e nortear a criação de arte para a produção de conteúdo específico. A interação com os consumidores também exige bastante atenção, a fim de incentivar a participação dos mesmos e estar preparado para possíveis crises, caso algum fato negativo sobre a organização seja publicado e tenha efeito viral nas redes. Por último e não menos importante, vem o monitoramento e mensuração de resultados, em que o profissional é responsável por coletar todas as menções à marca nas diversas plataformas sociais, interpretando resultados e mensurando o alcance das publicações, para a produção de um relatório.

A Gestão de Mídias Sociais é mais uma das diversas funções que um relações-públicas pode exercer, pois, acima de tudo, o Social Media se trata de planejamento e relacionamento, e isso é o que fazemos de melhor!

Links:

Batalha de rimas Santander x Itau

Tweet da record Breaking Bad

Netflix Atendimento estilo Star Trek

Oi ao estilo Lady Gaga

Coca-cola X Pepsi

Denise Valente 

Diretora de Relações Comerciais

Abrindo a felicidade

Não tem como não lembrar da Coca-Cola ao escutar a frase “Abra a felicidade”. E não é à toa: a criatividade dessa organização vai longe! São inúmeras as intervenções feitas que realmente unem as pessoas ou proporcionam esta felicidade.

Um exemplo recente foi uma ajudinha que a Coca-Cola deu para as  mulheres encontrarem namorados. No parque mais romântico de Xangai, na China, foi colocada uma máquina de garrafas com tampinhas bem mais apertadas do que o normal. O resultado foi que as mulheres, com dificuldades para abrir as garrafas, pediam ajuda aos homens que passavam por perto.

Há anos, pesquisas apontam a Dinamarca como “o país mais feliz do mundo”. E acredite, a felicidade não é a única semelhança com a marca… foi encontrado no logotipo da Coca-cola uma bandeira deste país!

Aproveitando a descoberta, a Coca-Cola criou a campanha “Happy Flag” (bandeira da felicidade), para receber turistas em um aeroporto dinamarquês,. Foram distribuídas cerca de 2400 bandeiras, com a mensagem “Bem-vindo ao país mais feliz do mundo!”

Já com a ação “Vamos juntos colorir o Brasil”, a Coca-Cola anunciou que mudaria a tradicional cor vermelha de suas latinhas pela primeira vez em toda a sua história. A campanha foi criada para homenagear nosso país na época da Copa das Confederações, momento de mostrar a paixão pela nossa nação.

As latinhas já começaram a ser distribuídas para comercialização, então, quem ainda não encontrou uma dessas por aí, já pode aguardar pela novidade.

A Coca-Cola já foi cupido, já recepcionou turistas e já vestiu nossa camisa: qual será a próxima ação genial que nos fará abrir a felicidade?

Laís Queiroz

Diretoria de Projetos

Fontes:

Comunique9

Blog Ideias

G1

O mundo mágico da Coca-Cola

             De um simples xarope para a conquista do mundo. A criação do farmacêutico Dr.John Styth Pemberton fez e ainda faz história do mundo da comunicação.

Logo no início das campanhas públicitárias, antes mesmo da criação da TV, a Coca-Cola conseguiu atingir um público muito amplo e despertar a curiosidade de consumidores com o uso de cartazes e anúncios em revistas, prezando sempre por utilizar imagens de pessoas saudáveis e felizes.

            Com o crescimento do público consumidor, surgiu então a necessidade de fidelizar esses clientes, para garantir a venda do produto. Criou-se então, desde réplicas de caminhões de distribuição da Coca-Cola até embalagens comemorativas, para incentivar o colecionismo. Mas não parou por aí: as campanhas resultaram no desenvolvimento de um público fissurado pela marca que passou a colecionar desde jingles até engradados.

Presença em momentos históricos


Para a obtenção de novos públicos, a Coca-Cola esteve presente em vários momentos da história: no primeiro ano de realização de jogos olímpicos a marca esteve presente, primeiramente com bótons (entrando de vez para as Olimpíadas em 1928); durante a Segunda Guerra Mundialrealizou uma campanha para a união dos povos e ainda baixou o preço do produto para incentivar soldados participantes da guerra a consumir, fazendo com que homens fardados não pagassem $50 cents, e sim, $5 cents numa garrafa de Coca-Cola. No Brasil em particular, a marca aliou-se à cultura nacional, promovendo até concursos para escolha de sambas enredo. Dessa forma, conseguiu que os brasileiros abraçassem cada vez mais a marca.

A Coca-Cola e o Natal

A história da Coca-Cola e sua ligação com o Natal vão além do clássico caminhão que anda pela cidade distribuindo balas. As campanhas de Natal vêm de longa data, iniciando com o Papai Noel citando o slogan “The pause that refreshes” (“A pausa que refresca”) ou “It’s my gift for thirst” (“É o meu presente para a sede”). Dessa forma, a Coca-Cola conseguiu relacionar-se com o ícone do Natal, instigando até mesmo o imaginário das crianças de todo o mundo, conquistando assim mais um público. Hoje em dia, muitas pessoas aguardam ansiosas para reviver todo fim de ano a “magia” que a Coca-Cola traz, com seu Papai Noel sempre amável e seus companheiros ursos polares. E com tudo isso, há quem diga até que o próprio “bom velhinho” foi criado pela marca.

A conquista mundial

Com esses feitos, dentre outros milhares, a Coca-Cola se consagrou como grande “ídolo” de muitas gerações, e ainda pretende conquistar muitas próximas. Não importa o quanto digam sobre efeitos prejudiciais a saúde, os consumidores continuam seguindo os passos da marca e se surpreendendo com suas inovações. Há até quem não consegue fazer uma refeição sem o acompanhamento desse líquido refrescante.

E agora? Que tal um copo de Coca-Cola bem gelada pra encerrar a leitura?

Referências:

Brasilcult

Jipemania

Milena Shoji

Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento