RPjr é bicampeã na categoria “Organização de Evento de RP” no Intercom Sudeste!



Aconteceu em São Paulo entre os dias 12 e 14 de maio a 16ª edição do Intercom Sudeste (Congresso de Ciências da Comunicação da Região Sudeste). Organizado pela Fecap (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), o evento bateu o recorde de inscrições, com 1600 ao todo, além de contar com 391 propostas de trabalho nas Divisões Temáticas e na seção Intercom Júnior e ainda com 421 inscrições para o prêmio Expocom.


Pelo segundo ano consecutivo, a RPjr esteve lá, com o intuito de propagar seus horizontes e a universidade, compartilhar boas experiências e adquirir conhecimento teórico e prático. Com 3 trabalhos no Expocom e 16 membros, a empresa foi preparada para São Paulo, em busca da conquista dos prêmios para garantir vaga e concorrer no Intercom Nacional, que será realizado entre os dias 2 e 6 de setembro, em Recife (PE).


Os trabalhos expostos foram: “Empresa Júnior de Relações Públicas – RPjr”, apresentado pelo Diretor de Projetos Emmanuel Ponte; “Pesquisa Para Formulação de Política de Relacionamento com os Públicos da RPjr”, apresentado pela Diretora de Comunicação Camila Ribeiro de Souza; e o projeto “Desafio Hora Extra: Transformando seu Tempo em Desafio”, exposto pela Diretora de Pesquisa & Desenvolvimento Priscila Avona de Carvalho.


E foi com o Desafio Hora Extra que a RPjr trouxe para a Unesp seu 2º título na categoria Organização de Eventos de RP! Bem como em 2010, com o Meeting 09, a empresa conseguiu superar a concorrência e conquistou a honra de receber, mais uma vez, o prêmio.


A RPjr parabeniza todos os membros envolvidos que se dedicaram muito para obter o êxito na organização e realização do projeto, que durou boa parte de 2009 e percorreu todo o ano de 2010. A empresa agradece também a todos que contribuíram com o evento: equipes participantes do Desafio, empresas participantes e patrocinadoras, órgãos apoiadores, professores orientadores, à faculdade e aos departamentos envolvidos, aos membros da banca avaliadora, enfim, a todos que, de uma forma ou de outra, tornaram possível o sonho de realizar esse projeto tão difícil. No fim, ele rendeu muita visibilidade, aprendizado e conhecimento, fatores primordiais para o sucesso alcançado.


Mas não foi só a RPjr que levou o nome da Unesp para o Intercom. Além do Desafio Hora Extra, a universidade também contou com a vitória da Jornal Júnior na categoria Empresa Júnior de Jornalismo! Além disso, muitos trabalhos foram expostos por alunos de graduação, pós-graduação e mestrado, em várias modalidades do evento. Destaque para outras exposições de graduandos de RP da Unesp, como o Grupo AGR, que concorreu no Expocom na seção de Assessoria de Comunicação Governamental com o trabalho feito para o Hospital das Clínicas da Unesp – Botucatu e as duas monografias apresentadas no Intercom Júnior por alunos do 2º ano de RP da Unesp: “CQC e o Telejornalismo Humorístico: Mero Entretenimento ou Ferramenta de Desalienação?” e “Sex And The City: Questionando o Poder da Mulher a partir do Pseudo-Feminismo”.


Ao fim do evento (confira o vídeo de encerramento), o resultado foi o melhor possível. Nada como estar em um ambiente cercado por profissionais e pesquisadores qualificados na área de comunicação, bem como trocar experiências e conteúdo com alunos de vários locais da região sudeste.


Valeu a pena, valeu RPjr! Que o Intercom Nacional também nos propicie ótimos momentos!



Felippe Ferro

Diretoria de Comunicação

Meio Ambiente e Comunicação

Que o Intercom é um evento plural em temas sobre comunicação não é novidade para ninguém. Entretanto, quando você é um graduando em Relações Públicas quanto mais novidades melhor. Pensando por esse ponto fiz minha escala de atividades no evento, tentando conhecer o máximo de temas e apresentações de pesquisas do meu interesse. Sendo elas, educação, meio ambiente e comunicação comunitária.

Dentre os novos horizontes que eu encontrava, fui até o Grupo de Pesquisa (GP) relacionado ao Meio Ambiente e Mídia. Apesar do tema não se ligar diretamente com minhas atividades na RPjr, como membro da diretoria de Recursos Humanos, esse assunto me pareceu muito importante para as outras atividades que exerço na minha vida acadêmica. Logo, fui me distanciando das salas onde havia atividades voltadas para RP e Comunicação Organizacional e fui até o bloco J do câmpus da faculdade de Caxias do Sul. Este bloco continha atividades voltadas para o campo do Jornalismo e Editoração, mas me ative ao tema do GP e pretendia participar de uma discussão sobre como a mídia pode influenciar em atividades voltada para o meio ambiente.

Durante as apresentações percebi que os trabalhos comunicacionais voltados para o meio ambiente, no evento, eram basicamente focados no jornalismo ambiental. A maioria das apresentações tratava desse tema, e a única que fugia dessa temática era sobre a dificuldade que uma empresa estatal agropecuária tem de tratar com seus públicos. Esses fatores me deixaram inquieto e ao mesmo tempo entusiasmado em poder expor outro ponto de vista. Já tive algumas experiências na área do meio ambiente tratando propriamente com mobilização e educação ambiental. Tive uma boa troca de ideias e foi realmente construtivo conhecer diversas opiniões do mesmo assunto que eu apenas conhecia do lado das relações públicas.
O que posso tirar desse GP? Os profissionais de comunicação estão envolvidos em todas as temáticas da sociedade e ao se tratar do meio ambiente é necessário que todos nós conheçamos cada vez mais tudo que esse tema pode alcançar. Ao falar em meio ambiente devemos pensar em tudo e todos que estão em nossa volta. E como comunicólogos, nossa obrigação vai muito além de informar. Cabe também ao profissional educar, conscientizar, dar exemplos e influenciar, para que a preocupação com a natureza transcenda essa “modinha sustentável” que estamos enfrentando e torne-se um sentimento inato em todos. Afinal, desculpe-me o clichê, mas o meio ambiente é o local onde vivemos e nossas gerações futuras também viverão. Logo, repito que nós, como comunicólogos, temos como obrigação nos preocupar e conscientizar os que ainda estão perdidos nessa modinha!

Renan França

Diretoria de Recursos Humanos

Esferas conexas e distintas

Ética faz parte da comunicação, sendo que a ligação dessas é essencial na contemporaneidade. E esse foi mais um dos temas presentes no Congresso Nacional da Intercom 2010. Evento este que nos acrescentou tanto na vida acadêmica, quanto na profissional, a qual muitos já estão inseridos e outros buscam oportunidades futuras.
Essa foi a vez do Professor Doutor Cláudio Schubert, que é especialista em filosofia com ênfase em ética e que leciona comunicação, transmitir um pouco de seu conhecimentos sobre “Comunicação, cultura e ética no Brasil” através de uma reflexão filosófica.
Dentro do tema, temos que destacar a diferença válida existente entre esfera pública e privada na formação ética do homem ocidental moderno, bem como a forma que o mesmo lida com tais esferas no ambiente de trabalho. Sabemos que cada vez mais as organizações possuem problemas com tal diferenciação, ou seja, atualmente muitas pessoas têm a necessidade de expor parte de suas vidas particulares dentro das organizações, seja em conversas com amigos de trabalho ou na própria forma de trabalhar e se relacionar. Não há como julgar atitudes como essa, já que atualmente o tempo que se passa no ambiente de trabalho é, na maioria dos casos, superior ao que passamos no lar. O ideal é saber dosar e separar, para que sua vida pessoal não influencie na cultura organizacional.
Aprofundando em conceitos filosóficos, a esfera pública é baseada pela razão e emoção, envolvendo as relações sociais do ser. Enquanto a privada, por sua vez, resume-se pelo mundo particular do sujeito. Ambas devem ser bem “administradas” pelo mundo profissional, para que não haja conflitos. Na prática atual, já se utiliza o termo “vícios profissionais” para as eventuais “fofocas” que ocorrem na grande parte das organizações. O que muitas empresas veem como possível solução para tais casos, é a realização de atividades como, por exemplo: exercícios laborais, gincanas motivacionais e períodos de lazer como alternativas para diminuir a tensão e apaziguar o ritmo desses ambientes.
O profissional de Relações Públicas, deve ter em mente tais reflexões e visões, principalmente por estar envolvido com pessoas e tendo como uma de suas missões facilitar o modo de comunicar. São questões importantes, que envolvem a profissão e as diversas maneiras de lidar com o público.

Mariah Lima
Diretoria de Qualidade

Comunicação e poder: a representação da ideologia na cultura de mídia voltada ao público jovem

No minicurso de Comunicação e Poder que ocorreu no dia 02 de setembro no Congresso nacional da Intercom em Caxias do Sul, foram abordados os recursos utilizados pela comunicação para a criação de uma ideologia para as massas, em específico o público jovem. Inicialmente, o conceito de ideologia foi abordado pelos professores da Unipampa Marcelo Rocha e Juliana Salbego que, através de Thompson, definiram como “conjunto de ideias que são tratadas erroneamente como autônomas e que falseiam a realidade sócio-histórica”. Segundo os professores, o principal modo de se encontrar a ideologia nas mensagens é a semiótica. Foram apresentados os cinco modos operacionais da ideologia:

· Legitimação: Busca legitimar as relações de poder alegando que deste modo está se criando algo bom para toda sociedade.

· Dissimulação: Nela, as relações de poder buscam a efetivação por meio do ocultamento da atenção das pessoas. Suas estratégias são baseadas no deslocamento, porque as formas simbólicas são usadas para se referirem a um objeto ou pessoa com base numa linguagem simbólica e na eufemização, que valoriza de forma positiva as relações sociais e as instituições ao mudar o sentido das ações.

· Unificação: A este correspondem as seguintes estratégias: a padronização, na qual as formas simbólicas são adaptadas a um referencial padrão aceitável; e a simbolização da unidade, que consta em construir símbolos de unidade, de identidade e de identificação coletiva para se difundirem num ou em vários grupos.

· Fragmentação: As relações de poder separam os indivíduos que possam vir a representar ameaça aos grupos dominantes. Usa como estratégias a diferenciação e o expurgo do outro. Na diferenciação, as formas simbólicas se fundamentam nas diferenças entre as pessoas e grupos e se apóiam nas características que os desunem. No expurgo do outro, é construída uma imagem de inimigo interno ou externo, que serve de caráter ameaçador para o qual os indivíduos são chamados a resistir ou a expurgarem coletivamente.

· Reificação: Trabalha com a idéia de coisificação do ser humano, no qual este passa a ser visto como uma marca privada de individualidades e qualidades pessoais.

Para aplicação do que foi estudado, foi passado um texto que mostrou como o falseamento das idéias pode ser conduzido através da linguagem. Algumas expressões mais elaboradas conseguem o poder de “maquiar” a realidade com a finalidade de dificultar a interpretação e o pensamento das massas. Para falar sobre a linguagem foi abordado o seu caráter histórico de uso, os fatores que geram o signo linguístico (mais especificamente, a questão de imaginário e estereótipo) e a questão do contexto em que esta é inserida.

Na 2ª parte do minicurso, estudamos o conceito de cultura no contexto da pós-modernidade defendida por Lipovetsky, que a define como não existente, alegando que o que ocorre na verdade é a hipermodernidade, na qual há uma exacerbação do individualismo, do consumismo e de uma ética hedonista.

A fim de se enxergar como os conceitos trabalhados são parte da nossa rotina, foram analisadas duas peças: um episódio da série Beavis and Butthead e o filme Logorama. A série nos mostra como as ideologias influenciam a cultura jovem norte-americana e como estas são expostas pelos grandes canais de televisão, no caso a MTV estadunidense. O filme Logorama mostra como as marcas encontram-se presente em nossas vidas e cultura, retratando as logomarcas através de uma “reificação às avessas”, uma vez que as marcas são personificadas.

Participar do Congresso Nacional da Intercom foi uma experiência única, a sensação de conhecer os estudantes de comunicação do país inteiro e seus trabalhos foi muito gratificante. O que posso dizer é que foi um evento no qual havia programação a todo o momento, sempre com muitas coisas interessantes acontecendo simultaneamente. A oportunidade de conhecer outra cultura, no caso a gaúcha, também serviu de motivação para apresentar trabalhos (especificamente nesta área) no próximo ano, em Recife.

Renato Vieira Belinelli
Diretoria Administrativa

No balanço da Intercom Nacional


Depois de muitas horas de viagem de Bauru a Caxias do Sul-RS, parte da equipe da RPjr chegou para as atividades dos quatro dias de programação do Congresso Intercom Nacional 2010, que tiveram início no dia 3 de setembro.
Durante esses dias, pudemos acompanhar várias mesas-redondas, grupos de pesquisa, oficinas e palestras dos mais diversos temas da área de comunicação; e também conhecer ícones de Relações Públicas, que até então só eram acompanhados nos livros de teoria. Aliás, acreditamos que este é o melhor aspecto de eventos nacionais importantes: estreitar contatos, trocando ideias e experiências com profissionais que eram “fictícios”, reduzidos às linhas teóricas apontadas em suas respectivas publicações.
Ademais, não podemos deixar de parabenizar o grupo formado por alunos do 3º ano de Relações Públicas que teve seu trabalho premiado na categoria “RP: Assessoria para o 3º Setor” na Expocom deste ano, com o projeto “Revitalização”; e também à aluna Carolina Chica, de jornalismo, que também ganhou um prêmio na categoria “Produção Editorial: Portal”, com o projeto “Toque de Ciência”. O projeto “Meeting 2009: um encontro com o futuro” da RPjr, vencedor da Expocom Sudeste e finalista da edição nacional, não foi premiado nesta última; mas já foi uma grande conquista para a empresa ter a chance de concorrer nesta primeira vez que participou com apresentações no evento. O nome “Unesp” estava lá na final, e isso por si só já é um grande reconhecimento para a universidade em nível nacional.
Gostaríamos de parabenizar,
também, o Departamento de Comunicação Social da Unesp Bauru, que ganhou o prêmio Luiz Beltrão – um dos mais importantes da comunicação brasileira -, na subdivisão “Instituições”, categoria “Grupo Inovador”. O Professor Roberto Deganutti, diretor da FAAC – Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação – estava lá para receber o prêmio na noite do dia 5, assim como a RPjr e alguns alunos de Comunicação Social que prestigiaram a entrega.
Enfim, foram dias de bastante aprendizado, troca de experiências, ansiedade e confraternização entre os participantes. O evento acrescentou muito, e com certeza voltamos da viagem mais completos, curiosos e orgulhosos de cursar Relações Públicas. Nas próximas semanas, parte dos posts do blog será baseado em assuntos tratados nesses dias de Intercom, para que possamos dividir o que ouvimos no Congresso com nossos leitores. Esperamos que gostem.

Por fim, o que fica de mais expressivo do sul é a cultura exposta aos visitantes, hospitalidade exemplo e orgulho de seu estado. É impressionante o cuidado que esse povo tem em conservar tradições e exaltá-las para que todos possam conhecê-las. E ano que vem, a edição regional será realizada em São Paulo/SP. Uma oportunidade a mais para os alunos da Unesp inscreverem seus projetos e pesquisas para concorrer ao prêmio; e levarem os trabalhos para o Intercom Nacional 2011, que será sediado na cidade de Recife/PE. Preparem-se!

Raisa Kamaura
Diretoria de Comunicação

RPjr em Caxias do Sul!

Acontece, de 2 a 6 de setembro, na cidade de Caxias do Sul/RS, o XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, evento promovido pela Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação).
A RPjr participará da sessão Expocom, concorrendo ao prêmio de Organização de Eventos, após ter vencido, em maio deste ano, a mesma categoria no Intercom Sudeste, na cidade de Vitória/ES. A ex-diretora de Projetos da RPjr, Nicolle Stathourakis Sampaio Amaral, apresentará o “Meeting 2009 – Um encontro com o futuro”.
Os doze membros da RPjr que irão ao evento terão a companhia de vários alunos da FAAC (Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Unesp Bauru), que também conquistaram grandes resultados no Intercom regional.
Em Caxias do Sul, o evento contará com grandes profissionais da área de comunicação e contará com aproximadamente 3.900 graduandos de todo o país.
A todos que irão ao sul, a RPjr deseja um grande evento e um excelente aprendizado! Ficaremos na torcida por todos os grupos e alunos da Unesp Bauru para que conquistem bons resultados, para dessa forma alcançarmos cada vez mais credibilidade e reconhecimento!
Para mais informações sobre o Intercom de Caxias do Sul, acesse: http://www.intercom.org.br/congresso/2010/chamada.shtml.

Felippe Ferro
Diretoria de Comunicação

Trabalho reconhecido!

Nos dias 13, 14 e 15 de maio, 14 integrantes da RPjr se lançaram à estrada, saindo de Bauru com destino a Vitória/ES, afim de concorrer pela 1ª vez na sessão Expocom do XV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. E o resultado foi dos melhores possíveis!
A RPjr participou do congresso com quatro trabalhos e, entre eles, Nicolle Stathourakis Sampaio Amaral, Diretora de Projetos, apresentou o Projeto “Meeting 2009 – Um encontro com o futuro”, na su
bdivisão Organização de Eventos, na categoria Relações Públicas. Após a explanação, realizada por volta das 11h do dia 15 de maio, os integrantes da empresa se sentiram confiantes para a premiação, que seria realizada às 18h do mesmo dia.
A espera pela hora da divulgação da lista dos vencedores deixava todos os mem
bros da empresa apreensivos, ninguém conseguia esconder a ansiedade e a expectativa. Contudo, todo tempo aguardado naquela tarde foi válido quando foi anunciada a vitória do Meeting 2009!
Para a RPjr – Empresa Júnior de Relações Públicas – foi uma honra muito grande receber esse título. Em sua 1ª participação a empresa levou quatro trabalhos, o que já é motivo de grande felicidade e satisfação, afinal tal fato se deve a todo empenho e trabalho de seus membros, e o contentamento foi ainda maior com a vitória alcançada.
Além disso, foi uma grande satisfação levar o nome da Unesp, que ainda trouxe para Bauru mais três premiações: o Grupo AGR (Ação, Gestão e Responsabilidade) composto por nove alunos do 3º ano de Relações Públicas levou o primeiro lugar na subdivisão Assessoria de Comunicação para o Terceiro Setor, com o “Projeto
RevitalizAção: reconstrua ideias, cultive essa atitude”; a aluna Ana Carolina Lorencetti Chica, aluna de Jornalismo, venceu na categoria Produção Editorial e Produção Transdisciplinar, na subdivisão Portal, com o trabalho “Portal Toque da Ciência”; e, na categoria Cinema e Audiovisual, Felippe de Souza Lima ganhou em Filme de Ação, com “Serviço Profissional”.
Manifestamos aqui nosso agradecimento a todos que, de uma forma ou de outra, contribuíram: alunos, professores, diretores, patrocinadores e todos que se envolveram com a RPjr e nos ajudaram a alcançar uma das maiores conquistas da empresa.
Parabéns a todos! E o próximo passo é Caxias do Sul, no Intercom Nacional!

Felippe Ferro
Diretoria de Comunicação